Em conversas filosóficas com meu primo(trato como irmão, o cara é parça desde pequeno) eu dizia que Flamengo,Atlético-Mg e Palmeiras iriam(e vão) vacilar em algum momento. Seja na competição que disputam cabeça a cabeça ou em um outro embate organizado no calendário brasileiro, esses clubes iriam perder e deixar a peteca cair um pouquinho. No nosso raciocínio, o campeão será quem vacilar menos e sofrer menos danos na estrada.

O Palmeiras já teve um “tropeço”: A derrota para o Grêmio,embora seja reversível, não estava nos planos. Já o Galo ganhou do Juventude. Parece pouca coisa, mas mostra que eles tem bala na agulha para disputa. Quem sofreu o maior golpe foi o Fla. A derrota para o Palestino não era nem imaginada pelos torcedores,quiçá jogadores e comissão técnica.

Meu último texto foi na vitória contra o Figueirense, quando levantamos essa questão. Depois daquela partida valorosa em São Paulo, veio o primeiro jogo contra o Palestino. jogo comum, dificuldade nível Medium, gol do Iluminado Sheik. O time, mesmo misto, já dava sinais de cansaço. Visivelmente os bonecos rubro-negros são melhores que o do Palestino, porém a parte física pesou. O jogo contra o Cruzeiro escancarou isso. O time celeste bateu de frente, quase ganhou o jogo e se não fosse a sorte e a competência de um time que merece ser campeão, a distância para o Palmeiras era maior.

O segundo jogo contra o time chileno veio e o meu sensor aranha disparou: Era o dia do Vacilo. O time misto, a sensação de que já ganhou, um time modesto sul-americano,torcida empolgada… esse clima não tava legal. O Flamengo não foi para Guerra.

patrick

O maior fator para derrota já foi descrito: Físico. O Flamengo está cansado. Não concordo com times mistos; Ou você joga com os titulares ou reservas. Do goleiro ao atacante. O segundo fator também já apareceu aqui: A falta de gana. O clima de já ganhou NUNCA funcionou no Fla. Ou entra para se entregar,lutar até o último minuto de jogo ou não vai funcionar. Diversos elencos e treinadores passaram pela Gávea e essa característica não muda.

Um terceiro fator, que é mera observação minha, é a falta de observação do adversário. Já vi o Flamengo jogar em Libertadores sem saber como se pronunciava o nome do time adversário. Não se procura saber os destaques do time, seus pontos fortes e fracos, o desempenho no campeonato nacional e etc. Resumindo, esnoba-se em todas as esferas um time profissional. Isso não é de hoje.

A derrota acende o sinal amarelo. Será que abalará no sprint final? Quando o Galo vacilará? E o Porco? Os resultados da Copa do Brasil irão afetar? Quem resistirá por mais tempo? Ainda faltam onze rodadas,teremos rodadas difíceis, inclusive a próxima, contra um adversário complicado; O São Paulo vem meia bomba esse ano e adora jogar contra nós. Na memória vem jogos épicos contra os tricolores, e sempre é parada dura.

A disputa pelo título é incessante, e a parte emocional vale muito. Lembrem-se do próprio Palmeiras de 2009, que ficou fora da Libertadores, mesmo liderando praticamente todo campeonato. Não podemos esmorecer, a vaga na liberta não está garantida, e o título muito menos.

Até a próxima!

About The Author

Alagoano, Flamenguista desde que vi a camisa onze do Romário. Apaixonado pelo Rio, vivo no Maracanã. Goleiro nas peladas da vida, apreciador do Futebol e do que ele causa ao seu redor. Provavelmente me encontrará na Lapa tomando um chopinho.

Leave a Reply

Your email address will not be published.