Ando ausente. Vida agitada, atribulações, resoluções… Aquele mimimi da vida moderna. Mas isso não atrapalha o meu Flamenguismo. Acompanhei, pelo radiozinho a vitória contra o Atlético – MG e por um link bucaneiro o jogo contra o Botafogo. Acreditem ou não, gostei de ambos. Pouco me importa os pontos perdidos contra o Foguinho. Estou numa fase meio Guardiola.
O que quero dizer com Guardiola? O ultra-super-estimado treinador chegou no Manchester City e disse que o seu time tem que jogar bem. Note: Ele não falou que quer ganhar títulos. Ele falou que quer um jogo bem jogado. Óbvio que ele espera ganhar taças. Mas o seu caminho para tal é jogando bem. Isso vai contra muitos treinadores, que necessariamente não estão errados, que visam o resultado, não importa como.

Contra o Atlético, o Fla dominou boa parte do jogo e teve a eficiência de Vizeu para aproveitar as chances. Contra o Botafogo, Zézinho não soube lidar com o ímpeto do adversário. Citei que não me importa os pontos perdidos porque o Flamengo está em busca de uma identidade, de um time, de um elenco e de um norte. Um objetivo. Não sabemos essencialmente qual o potencial do Flamengo em dois mil e dezesseis. É um time que briga pelo título? Maybe.
Libertadores? É provável. Ganhar a Sul-Americana? Uma grande icógnita. Rebaixamento? Só se algo der muito errado. Muito mesmo.

guerrero

Nossa posição na tabela mostra um time que literalmente ninguém sabe o que vai acontecer. Duas vitórias seguidas? G-4. Duas derrotas? Meio da tabela. Uma gangorra eterna até dezembro. A chegada de Diego qualifica o elenco, deve encaixar mas não espere algo extraordinário. Diego é um bom jogador, experiente e que quer jogar. Isso é o mais importante.

diego

Referente a elenco, estamos em dúvidas de quem vai sair. Sheik é um. Nixon já foi. Canteros queria sair, mas o Flamengo parece que não deixou. É notório que alguém partirá. L. Damião, Diego, Cuéllar, Mancuello e Guerrero consomem boa parte da renda rubro-negra. E acho válido o investimento. O risco de dar errado,está lá, pairando. Mas a qualidade e alguns momentos de “putz, está acontecendo!” e bum! O Fla poderá estar nas cabeças.

Gostei do empate contra o Botafogo pois serve de lição a Zé Ricardo. Ganhando por três a um, tirava quem estava cansado e segue a carruagem. Valoriza a posse de bola. Recuar totalmente o time, enfiar um milhão de volantes e abdicar da bola foi um grande erro que no futuro, pode valer sua cabeça. Torço para que não repita o erro.

O Urubu se prepara, com tempo de sobra para o embate contra o América – MG. Odeio quando jogamos como favorito absoluto de uma partida. É nessas horas que o Fla vacila. O América demonstra alguma reação no campeonato, mas literalmente é muito fraco. Infelizmente, é obrigação flamenguista ganhar. E quando obrigamos os bonecos rubro-negros a algo…

About The Author

Alagoano, Flamenguista desde que vi a camisa onze do Romário. Apaixonado pelo Rio, vivo no Maracanã. Goleiro nas peladas da vida, apreciador do Futebol e do que ele causa ao seu redor. Provavelmente me encontrará na Lapa tomando um chopinho.

Leave a Reply

Your email address will not be published.