O título de Portugal, no último domingo, coroou um país que esperava uma conquista há décadas e toda uma geração de jogadores, nem tão farta, mas que honrou seu país com unhas e dentes, mas, especificamente, consagrou um jogador, Cristiano Ronaldo. Com a conquista continental, o português volta a ser manchete e põe fogo no confronto particular com Messi, confronto esse que parecia extinto há pouco menos de um ano, quando o argentino conquistou sua quarta UEFA Champions League. Por mais que não seja uma comparação necessária e seja extremamente difícil, é válido apresentar características e pontos importantes que compõem os dois maiores jogadores de futebol do planeta.

A dupla é a principal do futebol mundial desde a aposentadoria de Zidane, certamente são os dois principais jogadores de futebol do século XXI, século este que foi palco de grandes nomes, além do francês já citado, jogadores como Henry, Bergkamp, Ronaldo, Ronaldinho, Xavi, Pirlo, Figo e muitos outros apresentaram futebol de altíssimo nível, o que torna os feitos do argentino e do português cada vez maiores. Campeões de muita coisa e acumuladores de recordes, a dupla protagoniza uma das grandes rivalidades do esporte e torna-se cada vez maior, hoje é difícil apontar até onde cada um chegará até o fim de suas carreiras.

cristianoronaldo-messi-portugal-argentina-get

Com o título continental, Cristiano Ronaldo alcançou algo que Messi ainda não tem, caminhando assim para sua quarta bola de ouro, já o argentino acumula cinco conquistas de melhor jogador do planeta, em relação à artilharia, o português lidera com quatro chuteiras de ouro, uma a mais que o argentino. Hoje, Messi é o maior artilheiro da história do Barcelona e da seleção da Argentina, já CR7 lidera esses quesitos pelo Real Madrid e seleção de Portugal, ambos também superaram a marca do gol de número 500 na última temporada.

O argentino acumula recordes, entre eles estão o de maior artilheiro da história do campeonato espanhol, jogador com mais gols em uma temporada europeia e jogador com mais gols em um ano solar, o português responde sendo o maior artilheiro da história da Eurocopa e da UEFA Champions League, além de ser o maior artilheiro em uma única edição de Champions. Além disso, Messi é o maior artilheiro do clássico “Barcelona x Real Madrid” e tem um ouro olímpico pelo seu país, já Cristiano Ronaldo marcou mais de 50 gols em quatro edições consecutivas do campeonato espanhol e foi o primeiro jogador a marcar gols por duas equipes diferentes em finais de UEFA Champions League.

Em relação a títulos coletivos, além das quatro Champions de Messi e das 3 Champions e da Euro de Ronaldo, a dupla acumula diversas conquistas, Messi tem 18 taças nacionais pelo Barça, CR7 já conquistou 12 por United e Real Madrid, também possuem conquistas de supercopas europeias e campeonatos mundiais de clubes. Pelo Barcelona, Messi é – certamente – o maior de jogador de sua história, já Cristiano Ronaldo é um dos maiores nomes das histórias de Manchester United e Real Madrid.

12496028_957110087698461_4213951864825709489_o

Próximos em conquistas, mas bem diferentes em futebol, não no nível apresentado, mas na forma de atuar, Messi é mais cerebral e CR7 mais finalizador, o argentino é 10, já foi “falso 9”, já caiu bem pela ponta-direita, mas é o típico ponta de lança, o armador que faz o jogo acontecer, distribui e passa, decide com gols, mas decide melhor ainda criando espaços, precisa de uma equipe que o deixe jogar, mas que saiba jogar com ele. Nas mãos de Guardiola, o argentino tornou-se letal na criação de jogadas e consegue fazer a diferença até em equipes menos organizadas que seu Barcelona, vide as boas atuações pela Argentina – mesmo errando um pênalti pela final continental, o argentino foi bem em sua Copa América. Mas, Cristiano Ronaldo é finalizador, atacante nato, começou como meia-esquerda pelo Manchester United e avançou, joga como ponta-esquerda, como centroavante, cada vez mais próximo do gol, extremamente físico e letal nas finalizações, seja com qualquer parte do corpo, moldado por Alex Ferguson, evoluiu mais ainda nas mãos de Ancelotti. É o maior finalizador do século e um dos principais de todos os tempos.

O português apresentou uma liderança forte – que lhe é característica – na última Euro e foi muito elogiado por isso, Messi também lidera, mas é algo silencioso, pois lidera pela técnica, é um líder com a bola nos pés, Cristiano consegue ser líder nos bastidores. Ambos já falharam em momentos decisivos e sentiram as falhas, vide Messi na final da Copa América 2016 e pela semi-final da UEFA Champions League 2012 – errou pênaltis em ambas oportunidades – e CR7 na semi-final da UEFA Champions League 2012 – errou seu pênalti – e Copa do Mundo 2014 – foi eliminado na primeira fase -, mas já resolveram inúmeros jogos e garantiram inúmeros títulos e classificações às suas equipes, em suas partida mais geniais, podem ser lembradas a atuação de Lionel Messi contra o Manchester United pela final da Champions 2011 e a atuação de Cristiano Ronaldo contra a Suécia pela repescagem da Copa do Mundo 2014, foram sublimes e garantiram resultados fantásticos e históricos.

Em uma comparação mínima, Messi é mágica e Cristiano é máquina, enquanto o argentino é o principal jogador do século em termos técnicos, em relação ao dom de jogar futebol, o português é o maior atleta de futebol do século, o que mais trabalhou e trabalha para atingir um alto nível, o que não torna um menor que o outro, pelo contrário, mostra duas formas diferentes e belas de conceber o futebol, ambas com trejeitos geniais. Um é 10 clássico e o outro é 9 arrebatador que se antagonizam por representarem não só o confronto particular, mas por representarem o duelo “Barcelona x Real Madrid”, “América do Sul x Europa” ou tantos outros confrontos que aparecem no dia-a-dia esportivo.

Se é difícil apontar quem é o melhor entre os dois, em relação a história não é fácil saber em qual lugar estarão, mas é certo que representam para a sua geração, o mesmo que Di Stéfano, Puskás, Garrincha, Pelé, Cruyff, Beckenbauer, Maradona, Platini e Zidane representaram para suas gerações de jogadores. Na opinião deste que vos escreve, o argentino ainda é a preferência, mas com todos os pontos destacados, é realmente difícil dizer qual está acima, a discussão será eterna e já está no hall das grandes rivalidades do esporte, “Pelé ou Maradona”, “Federer ou Nadal”, “Senna ou Alain Prost” e tantas outras, mesmo que velada e involuntária, a disputa existirá e só serve para agigantar o esporte que tanto nos encanta.

LEIA TAMBÉM:

Apenas, Messi! – Crônica escrita sobre Lionel Messi, após vitória do Barcelona sobre o Bayern München por 3×0, no Camp Nou, pelo primeiro jogo da semi-finais da UEFA Champions League 2014/2015.

Super Atleta – Crônica escrita sobre Cristiano Ronaldo, após marcar seu gol de número 500 na carreira.

About The Author

Amante do esporte, presente em uma das tantas curvas da highway. Mineiro, acima de tudo Cruzeiro. Fã de futebol rápido, não necessariamente rasteiro. Acredita na Copa do Mundo como momento máximo do esporte.

Leave a Reply

Your email address will not be published.