ELENCO
Goleiros: Marchetti, Mirante e Sportiello
Defensores: Acerbi, Astori, Bonucci, Izzo, Ogbonna e Tonelli
Meias: Benassi, Bernardeschi, Candreva, Cataldi, De Rossi, De Silvestri, Florenzi, Giaccherini, Jorginho, Parolo, Soriano e Zappacosta
Atacantes: Insigne, El Shaarawy, Éder, Pellè, Borini, Immobile e Pavoletti

APOSTA: Não pela idade, mas sim considerando o valor futebolístico. Jorginho, nascido em Imbituba/SC, nunca jogou aqui no Brasil e se naturalizou italiano. Passou por dois times de divisões inferiores na terra da bota e foi contratado pelo Napoli em 2013. Na equipe agora comandada por Maurizio Sarri, se tornou num pilar de extrema importância. De movimentação inteligente e produtividade nas interceptações, o atleta tem boa técnica com a bola nos pés e pode controlar o ritmo de jogo na Euro.

CRAQUE: Sabemos da história que muitos medalhões escreveram e de toda a importância que ainda exercem sobre o grupo, mas é hora de olhar para o futuro. Com isso, Lorenzo Insigne pode ser considerado o grande destaque da equipe. Revelado pelo Napoli e absolutamente destruidor em suas passagens por empréstimo no Foggia (10/11) e Pescara (11/12) – essa que o alavancou de vez -, o winger é conhecido por sua técnica refinada e agilidade muito apurada. Após alguns meses de inconsistência, a campanha atual marcou o retorno daquele jogador explosivo que conhecíamos: 13 gols, 11 assistências e uma média de 4.9 key passes a cada 90 minutos.

O TIME: A equipe é uma verdadeira incógnita. Inconsistente no resultado e nas atuações, planta muitas dúvidas na cabeça do torcedor e não deve empolgar durante o torneio. A base do XI inicial deve ser: Marchetti; Astori, Bonucci, Acerbi; Jorginho, Soriano, Florenzi e Giaccherini; Insigne, Pellè e El Shaarawy.

O TÉCNICO: Antonio Conte é um personagem extremamente completo e cheio de nuances em sua personalidade. Com racionalidade tática e um poder emocional tremendo, conquistou 3 títulos nacionais consecutivos com a Juventus (11/12, 12/13, 13/14) e recentemente acertou a sua ida para o Chelsea. Isso mesmo. Seu destino pós-Euro já está definido e ele não fica no comando da Azzurra. Recentemente, seu lado controverso foi colocado sob os holofotes. O procurador Roberto Di Martino solicitou a prisão de 6 meses do manager, que havia deixado de denunciar atos de corrupção numa partida do Siena na Serie B em 2011. Nos desdobramentos do caso, entretanto, ele foi absolvido pelo tribunal de Cremona.

DESEMPENHO NAS ELIMINATÓRIAS

A Itália foi uma das quatro seleções invictas na fase de qualificação. Dentro do modesto Grupo H, contabilizou 24 de 30 pontos disputados – sete vitórias e três empates, aproveitamento de 80%. O rendimento, porém, plantou muitas dúvidas na cabeça do torcedor. Taticamente a equipe não é tão coesa como deveria ser e o número de apenas 16 gols marcados preocupa. Países como Áustria, Eslovênia, Eslováquia e Bósnia Herzegovina balançaram a rede mais vezes.

CURIOSIDADE

Apesar de ser um esquadrão muito tradicional, os italianos não contam com nenhum jogador entre os 20 maiores artilheiros da história da Euro. Na verdade, ninguém conseguiu marcar ao menos 4 gols contando todas as edições que participaram .

HISTÓRICO NA EURO

Campeão: 1968

Vice: 2000 e 2012

About The Author

Avatar

Leave a Reply

Your email address will not be published.