Acabamos de perder um dos técnicos mais promissores do mundo. Diego Aguirre vinha fazendo um bom trabalho até aqui. Após a eliminação, um empate normal contra a Ponte (pelo ânimo do time) e um empate que, por pouco, não foi vitória, contra a Chapecoense. A mesma que venceu o Cruzeiro no Mineirão. Não é um resultado normal empatar com qualquer time em casa, mas é motivo para demissão? Demitir um cara que, de 48 jogos, perdeu somente 9? Acrescentam-se 24 vitórias e 15 empates, que resulta em cerca de 60% de aproveitamento. Ah, e a melhor parte: não houve nenhuma explicação decente para isso por parte da direção.

Diria que, guardadas as devidas proporções, acabamos de vivenciar um dia de Real Madrid. Após cair na semi-final do maior torneio do continente e empatar dois jogos, nosso técnico foi demitido. Ancelotti perdeu na semi-final do maior torneio do outro continente e não ganhou a Liga. Também foi demitido. Ou seja, essa demissão só se justifica de uma forma: criar um fato novo na semana de Gre-Nal. Ou, pior ainda, Piffero anda com viseiras de cavalo e acredita que o Inter tem a mesma obrigação de ganhar a Libertadores que o Real Madrid tem a de ganhar a Champions League, basicamente. O mesmo Piffero que foi salvo pelo nosso técnico. Porque, se dependesse do presidente, jogaríamos com Anderson, Nilton e Vitinho no time titular desde o começo do ano.

Antes que venham falar de rodízio, qualquer pessoa que realmente acompanha o clube sabe que seria impossível escalar todos os titulares na parada da Libertadores. D’Alessandro, Sasha, Juan, Geferson, Aránguiz, Alisson, Valdívia, Nilmar, Alex e outros nomes: todos esses estiveram de fora durante parte da parada (ou totalmente fora). Qual a culpa do Aguirre nisso?

Eu realmente fiquei decepcionado com essa demissão. A cultura do imediatismo ainda se aplica em solo tupiniquim. Um treinador que revelou grandes jogadores, como Dourado e William, e ainda bancou Valdivia e Sasha dentro dos 11. Um treinador que levou o time até a semi-final da Libertadores. Um treinador que trouxe novos conceitos para o futebol brasileiro em menos de seis meses. Mas, infelizmente, as coisas aqui funcionam assim. Imagina se a direção do United demitisse Alex Ferguson pelas suas primeiras e pífias temporadas?

Piffero cedeu à pressão da imprensa e de parte da torcida, que por sua vez também cedeu à pressão da imprensa. E agora, quem vai ser o salvador? Querendo ou não, será um auxiliar que irá comandar o Inter no Gre-Nal. Mas, na prática, seremos treinados por Alex e D’Alessandro. Parabéns, Sr. Vitório.

galeria_foto_b27a8be36256226bea20c40fc5d03033

About The Author

Henrique Chaparro

Diretor-geral dos sites QQD e Falando de Premier League. Criou o QQD em 2013 e não parou mais. Torce para Internacional acima de tudo e vai com a cara do Liverpool. No FIFA 17, gosta de jogar clássicos argentinos. Acredita que o rei do futebol é brasileiro.