Desde que Gilvan assumiu a presidência do Cruzeiro, em 2012, não é novidade para ninguém que o nome de Vanderlei Luxemburgo sempre foi um dos favoritos do mandatário para assumir o cargo, mas isso nunca se concretizou por diversos motivos, nesse período, passaram pela Toca da Raposa alguns treinadores, entre eles Vágner Mancini, Celso Roth e Marcelo Oliveira, três técnicos de perfis e históricos diferentes, tanto antes quanto durante sua passagem pelo clube, dentre os três, apenas Marcelo foi campeão. Após anos gloriosos, Marcelo foi derrubado covardemente pela diretoria que não apareceu nem em sua despedida, pouco tempo após Marcelo enxugar suas lágrimas, lá já estava sendo anunciado Vanderlei Luxemburgo para comandar o time pelo restante da competição.

A demissão de Marcelo foi injusta, e a contratação de Luxemburgo parece absurda, o treinador que não vence um título expressivo há 11 anos, substituirá o atual bicampeão brasileiro, mas o que será que o Cruzeiro pode esperar de Luxemburgo nesta que será sua segunda passagem pela Toca. Desde 2006, após retornar de sua aventura em Madrid, o treinador não consegue engrenar um bom trabalho, chances não lhe faltaram, Santos, Palmeiras, Atlético/MG, Grêmio, Fluminense e Flamengo lhe deram oportunidades de triunfar, alguns deram mais de uma chance, outros deram bons elencos, mas com discurso medíocre e falta de ambição dentro dos gramados, o treinador sucumbiu e não alcançou feitos relevantes em nenhuma das oportunidades.

Luxemburgo, em sua primeira passagem pelo Cruzeiro

Luxemburgo, em sua primeira passagem pelo Cruzeiro

Nesta nova oportunidade, Luxemburgo receberá um salário menor do que usualmente recebe, entretanto ocupará o cargo que sempre almejou em sua carreira, ele virá com o objetivo de exercer a função de manager, ou seja, não substituirá apenas Marcelo Oliveira, mas também Alexandre Mattos, no comando do futebol, caberá a Luxa escalar e contratar, o comando do futebol será todo do treinador. Em sua última passagem pelo Flamengo, Luxa tentou exercer o cargo, mas parou na desaprovação da diretoria, que não gostou dos atos do treinador, sem antes ter recebido respaldo da mesma.

No Cruzeiro, Luxa encontrará um elenco pior em relação aos últimos dois anos, mas longe de ser ruim, e terá muita autonomia para conduzir seu projeto, o objetivo inicial é recuperar o time, afastando-o das últimas posições, mas também brigar por taças, o discurso pobre de apenas sair da “zona da confusão” não será suficiente em 2015. Além disso, Luxa contará com uma estrutura física excelente, melhor que a já boa estrutura de 2003, e terá todo o respaldo do presidente em seu trabalho, após anos frustrantes, essa pode ser a última grande chance de Luxemburgo se reinventar e, no mínimo, voltar a ser um pouco do que era nos anos 90 e início dos anos 2000.

O treinador, mesmo com passado vitorioso no clube, chega sob muita desconfiança, devido aos já citados trabalhos fracassados e pela relação não muito agradável que estabeleceu com a torcida celeste nos últimos anos, polêmicas durante sua passagem pelo Atlético/MG e em outros momentos incomodaram o torcedor. A esperança é que no clube no qual conquistou a Tríplice Coroa, Vanderlei volte à triunfar, agora não haverá, inclusive, a chance de alguém culpá-lo de fracassar por se preocupar mais com o extra-campo do que com o que ocorre em campo, visto que a contratação de Luxa também envolve a parte relacionada à contratação de atletas e montagem de elencos.

Luxa terá, agora, os poderes que desejava no Fla

Luxa terá, agora, os poderes que desejava no Flamengo

Há 11 anos sem troféus importantes e há 4 anos sem troféus de espécie alguma, Luxa terá que fazer seu projeto funcionar em Belo Horizonte, qualquer coisa menor que um título de expressão já será um desempenho abaixo do esperado visto que não superará nem o trabalho de seu antecessor Marcelo, nem o seu próprio trabalho na Toca, trabalhos esses que tiveram média de aproveitamento na casa dos 70%, outro ponto à ser considerado. Nos últimos anos, o aproveitamento de Vanderlei passou longe dessa excelente média.

Não pode-se afirmar que esta será a última grande chance de Luxa, mas elas têm se esgotado, entre idas e vindas, o retorno ao Cruzeiro era um dos poucos caminhos que ainda o restava, o treinador tem que minimizar o discurso do “projeto” e projetar um time, realmente, capaz e campeão. Para não ter um fim melancólico igual ao de outros treinadores de sua geração, como Felipão, Parreira, entre outros, que conseguiram manchar carreiras vitoriosas, Luxemburgo precisará voltar à trabalhar, pois para o projeto dar certo não bastará o discurso e o currículo, em um clube no qual tudo que Luxa fizer parecerá pouco, o projeto precisa ser campeão, destoando do discurso do “professor” que tem sido, nos últimos anos, apenas sair da “zona da confusão”.

About The Author

Amante do esporte, presente em uma das tantas curvas da highway. Mineiro, acima de tudo Cruzeiro. Fã de futebol rápido, não necessariamente rasteiro. Acredita na Copa do Mundo como momento máximo do esporte.