Nos últimos meses estive bastante ocioso no site. Passei a me envolver, pesquisar, ler e escrever muito mais sobre política, por exemplo, do que sobre futebol. Muito pode se dever ao momento conturbado da política nacional, que tem chamado cada vez mais atenção e atraído cada vez mais olhares da população em geral. Mas estive pensando, e esses dias cheguei a conclusão de que o futebol está perdendo a graça.

Nosso querido esporte bretão está se tornando algo tão aplanado, sem graça, sem novidades. Novidades no sentido de invenções, ou até reutilizações, e não de “notícias quentes”. O futebol ficou sem graça. Hoje, as notícias que saem na imprensa são sobre quais jogos foram parar nos tribunais, quais são os carros dos jogadores, quais são as 10 maiores transferências, quem são os 10 jogadores mais bem pagos. Cada qual mais fútil que a anterior.

O futebol está perdendo a graça. Antigamente corríamos para a frente da TV, ou para dentro do estádio, e durante o jogo mergulhávamos em toda a atmosfera criada pela partida, por menor que fosse a relevância da mesma. Assistíamos futebol por assistir, por diversão, para ficarmos antenados sobre possíveis contratações. Hoje são poucos os jogos que realmente dão vontade de assistir. E são sempre os mesmos.

A própria ida ao estádio se transformou, regrediu. Na época do meu avô, e até do meu pai, ir ao estádio não era um evento, que precisava de uma programação prévia. Ir ao estádio era algo usual, natural e servia como programa familiar para qualquer família, de qualquer classe social. Hoje, os preços de ingressos, alimentação, deslocamento e outras coisas, atualmente inerentes a ir ao estádio, assustam os desavisados. A torcida deixou de ser tão eufórica e entusiasmada. Como muitos dizem, estádios estão cada vez mais parecidos com teatros.

O futebol está perdendo a graça, mas ainda há tempo para darmos a volta por cima, de recuperarmos este guerreiro, abatido por nossas futilidades e desejos esdrúxulos. Nos resta torcer para que os preços baixem, para que os nossos clubes e seus campeonatos se tornem verdadeiramente competitivos e que a mentalidade do torcedor/leitor/expectador mude. Nosso apoio é imprescindível para que voltemos a ter nosso querido futebol aguerrido de volta.

Torcida colorada deu show na vitória sobre o Atlético-MG. Bom seria se fosse sempre assim (Foto: Fabiano do Amaral/CP)

Coincidentemente escrevo um dia após as oitavas da Libertadores, onde os brasileiros deram show no quesito torcida e no quesito de jogos memoráveis. Tanto Inter e Galo quanto Cruzeiro e São Paulo fizeram encontros históricos. Foram quatro belíssimos jogos, com gols, dedicação extrema e vontade, três elementos que empolgam o torcedor e o contagiam para que apoie incondicionalmente seu time, como ocorreu tanto em Minas, quanto no Rio Grande do Sul, quanto em São Paulo. Eu sinceramente espero que mais jogos assim aconteçam, voltem a chamar o torcedor e recuperem o apoio que tem sido gradativamente perdido.

About The Author

Adrian Pavoni
Diretor-Executivo e Colunista

Amante da liberdade, de esportes e da vida. Cityzen e Sapucaiense. Estudante de Jornalismo da PUCRS.